ao vivo rede caxias tv

Total de visualizações de página

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

MINISTRO DA SAÚDE VISITA AS OBRAS DO HOSPITAL MUNICIPAL DO OLHO DE DUQUE DE CAXIAS

CONTEÚDO: PMDC

As obras do Hospital Municipal do Olho Julio Cândido de Brito, em Duque de Caxias, já estão em fase de conclusão. Nesta sexta-feira, 11/08, o prefeito Washington Reis recebeu o ministro da Saúde, Ricardo Barros, o secretário de Estado de Saúde, Luiz Antônio Teixeira, o deputado Federal Áureo, o deputado Estadual Rosenverg Reis, além de vereadores e demais autoridades estaduais e municipais em uma visita à unidade que está sendo construída no bairro Dr. Laureano, primeiro distrito do município.
Para o ministro Ricardo Barros, “esta é uma bela obra, que mostra o respeito à população, com a qualidade do prédio e a qualidade de atendimento que evidentemente será prestado aqui e que será o objeto de maior cuidado do prefeito”, ressaltou. Barros afirmou que espera ampliar ainda mais as parcerias também com a Secretaria de Estado de Saúde, através do secretário Luizinho, e com todos os demais parceiros que administram a Saúde e lutam pela melhoria na qualidade de vida da população que vive na região da Baixada Fluminense.
O hospital especializado em atendimento oftalmológico é fruto de uma parceria entre a Prefeitura, o Governo do Estado e o Governo Federal, será o primeiro da Baixada Fluminense, contará com equipamentos modernos e infraestrutura apropriada para receber os pacientes de diversas patologias relacionadas à oftalmologia, com procedimentos cirúrgicos, atendimentos de consultas e serviços diagnósticos.
O prefeito Washington Reis anunciou que o hospital deverá ser inaugurado no final de agosto e que as obras estão em fase final de conclusão e acabamento. “É uma alegria receber o ministro aqui no Hospital do Olho e anunciar que ele assumiu o compromisso de nos ajudar a fazer dessa unidade uma referência em Saúde pública no Brasil. Com a ajuda do ministro, dos deputados Áureo, Simão Sessim, Rosenverg Reis, Wilson Bezerra, do secretário Luiz Antônio e das autoridades municipais, vamos fazer a Saúde de Duque de Caxias se destacar em termos de atendimento”, destacou Washington Reis.
Mesmo com todas as dificuldades financeiras enfrentadas devido à crise econômica pela qual atravessa o município de Duque de Caxias e o estado do Rio de Janeiro, o prefeito Washington Reis vem tratando a Saúde como uma das principais prioridades do governo municipal, juntamente com o compromisso de manter em dia a folha de pagamento dos servidores municipais. Quando inaugurado, a expectativa de atendimentos no Hospital Municipal do Olho será de cerca de 3.700 consultas ambulatoriais, 3.100 exames e 990 cirurgias por mês.

Mãe embala filho recém-nascido em saco plástico e o envia a orfanato pelo correio

Mulher foi presa e acusada de abandono de criança

CONTEÚDO: R7.COM

Bebê foi encontrado dentro de saco plásticoReprodução/Shangaiist

Uma mulher de Fuzhou, na China, enviou o filho recém-nascido a um orfanato pelo corrreio. O bebê foi encontrado dentro de um saco plástico pelo funcionário responsável pela entrega de correspondências, que começou a ouvir choros e percebeu que o pacote que carregava estava se movimentando.

A mãe do bebê, uma chinesa de 24 anos, foi presa pela polícia sob acusação de adandono de criança.

'Desafio da água fervente' causa morte, feridas graves em crianças e preocupa americanos

O incidente se tornou um dos assuntos mais discutidos na redes sociais chinesas, com muitas pessoas pedindo punições mais fortes à mãe.

POLÍCIAS PRENDEM E RECUPERAM CARGA ROUBADA NA AVENIDA WASHINGTON LUIZ

CONTEÚDO: 15° BPM

Durante patrulhamento de rotina a equipe foi alertada por transeuntes que acabara de acontecer um roubo de carga, onde após incansável busca foi localizado o veículo citado, e que ao meliante perceber a abordagem policial, obrigou o motorista do caminhão a fugir colocando-o assim como refém, Em ato contínuo a Policia Rodoviária Federal fora alertada sobre o fato e que apos os policias dispararem contra o pneu do caminhão a fim de imobilizar o mesmo, após dialogo com o meliante as equipes obtiveram êxito em libertar o refém e recuperar e apreender:

Material apreendido

01 revólver calibre 38, marca Taurus com numeração suprimida.

06 munições CBC do mesmo calibre intactas.

01 Jammer marca fênix (bloqueador de sinal).

01 Caminhão Scania R124 placa MHA 9390 e um baú
Frigorífico placa AJY2890 avaliados em R$150 mil

Caminhão com carga de laticínios em geral da marca Danone avaliada em R$ 150mil.

Ocorrência Encaminhada a 59° DP

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Em meio à crise do estado, Pezão vai contratar empresa de táxi aéreo por R$ 2,5 milhões

O contrato será de um ano. Valor daria para comprar 1.094 passagens de ida e volta para Brasília, o equivalente a 91 por mês.

 CONTEÚDO: O GLOBO


Luiz Fernando Pezão - Guito Moreto/O Globo

RIO - Em plena crise, e com servidores estaduais amargando quase três meses de atraso nos salários, o governo do estado publicou nesta quinta-feira um edital para a contratação de serviços de jatinho (táxi aéreo) estimada em R$ 2,518 milhões, para acomodar o governador Luiz Fernando Pezão em suas viagens pelo país. O Edital do Pregão número 003/2017 foi lançado pela Subsecretaria Militar da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico e prevê um contrato com vigência de 12 meses.

O edital prevê que propostas de empresas serão aceitas a partir desta sexta-feira, 11, até o dia 23 de agosto. O governo informa, pelo termo de referência, que o beneficiário será o "chefe do Poder Executivo do Estado", portanto, o governador. Sabe-se que, em suas constantes viagens a Brasília, o governador Luiz Fernando Pezão tem utilizado aviões particulares, uma prática que não começou com a crise e vem desde o início do seu mandato.

Tensão entre os EUA e a Coreia do Norte: há razão para temer uma guerra nuclear?

CONTEÚDO: BBC BRASIL

Direito de imagemAFPImage captionEm um ambiente tenso, um ato mal interpretado pode iniciar uma guerra

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, disse que vai responder às ameaças da Coreia do Norte "com fogo e fúria jamais vistos pelo mundo".

Enquanto isso, a Coreia do Norte ameaçou lançar mísseis contra a ilha de Guam, território dos EUA no Pacífico habitado por 163 mil pessoas.

E tudo isso acontece em meio a informações de que Pyongyang possa ter finalmente conseguido miniaturizar uma ogiva nuclear para caber em um míssil intercontinental - uma perspectiva temida há muito tempo pelos Estados Unidos e seus aliados asiáticos.

PUBLICIDADE

Como iluminar um quarto por 40 dias só com uma batataConheça o 'ladrão-de-coco', o maior artrópode terrestre

Seria isso um prenúncio de um conflito militar?

Especialistas dizem que não há motivo para pânico. Eis as três razões para isso:

1. Ninguém quer guerra

Isso é o mais importante. Uma guerra na península coreana não é do interesse de ninguém.

O principal objetivo da Coreia do Norte é a sobrevivência - e uma guerra com os Estados Unidos poderia comprometer isso. Como o analista para Assuntos de Defesa da BBC Jonathan Marcus pontuou, qualquer ataque norte-coreano contra os EUA ou seus aliados no contexto atual poderia rapidamente evoluir para uma guerra maior - e é preciso assumir que o regime de Kim Jong-un não é suicida.

Aliás, é por isso que a Coreia do Norte tem se empenhado tanto em se tornar uma potência nuclear. Pyongyang parece acreditar que ter essa capacidade protegeria o regime - aumentando o preço para derrubá-lo. Kim Jong-un não quer seguir o caminho de Muammar Khadafi, na Líbia, ou Saddam Hussein, no Iraque. Nenhum dos dois possuía armas nucleares.

Andrei Lankov, da Univeridade de Kookmin, em Seul, disse ao jornal britânico The Guardian que "a probabilidade de conflito é muito baixa", mas que a Coreia do Norte "tampouco estava interessada em diplomacia" a essa altura.

"Primeiro eles querem ter a habilidade de limpar Chicago do mapa, aí então eles estarão interessados em soluções diplomáticas", disse Lankov.


Direito de imagemAFP/GETTYImage captionLançamento de míssil norte-coreano

E quanto a um ataque preventivo americano?

Os Estados Unidos sabem que um ataque à Coreia do Norte poderia forçar o regime a retaliar atacando Coreia do Sul e Japão, aliados dos EUA.

Isso poderia resultar em muitas mortes, incluindo as de milhares de americanos - tropas e civis.

Além disso, Washington não quer correr o risco de que sejam lançados mísseis contra cidades americanas.

Por fim, a China - o único aliado de Pyongyang - ajudou a manter o regime precisamente porque seu colapso poderia ser pior para ela estrategicamente. Tropas americanas e sul-coreanas a um passo da fronteira chinesa formariam um cenário que Pequim certamente prefere evitar - e é isso o que aconteceria em caso de guerra.

2. Palavras, não ações

Trump pode ter ameaçado a Coreia do Norte com uma linguagem incomum para um presidente americano, mas isso não significa que os Estados Unidos estejam marchando rumo à guerra.

Como uma fonte militar anônima disse à agência Reuters: "Só porque a retórica fica mais agressiva não quer dizer que nossa postura muda".

O colunista do New York Times Max Fisher concorda: "São os tipos de sinais, não os comentários bruscos de um líder, que mais importam nas relações internacionais".

Além disso, depois dos dois testes de mísseis intercontinentais da Coreia do Norte em julho, os Estados Unidos tentaram uma tática diferente - pressionar Pyongyang através de sanções do Conselho de Segurança da ONU.

E seus diplomatas têm mostrado otimismo sobre um eventual retorno à mesa de negociações, apontando para o apoio de China e Rússia.


Direito de imagemGETTY IMAGES AND REUTERSImage captionKim Jong-un e Donald Trump

Esses dois países enviam sinais conflitantes a Pyongyang, mas também moderam a retórica agressiva do presidente Trump.

Ainda assim, alguns analistas dizem que um movimento mal interpretado no contexto de tensão poderia levar a uma guerra por acidente.

"Poderia ocorrer uma falha de energia na Coreia do Norte que pudesse ser interpretada como um ataque dos EUA. Ou os EUA podem cometer um erro [na Zona Desmilitarizada]", disse à BBC Daryl Kimball, do centro de estudos americano Arms Control Association. "Então há várias formas de cada lado errar o cálculo e a situação acabar saindo do controle".

3. Nenhuma novidade

Como pontua o ex-secretário-assistente de Estado dos EUA PJ Crowley, Estados Unidos e Coreia do Norte chegaram perto de um conflito armado em 1994, quando Pyongyang se negou a permitir a entrada de inspetores internacionais em suas instalações nucleares. Na ocasião, a diplomacia venceu.

Com o passar dos anos, a Coreia do Norte fez ameaças incendiárias contra Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul com regularidade, muitas vezes ameaçando transformar Seul em um "mar de fogo".

E a retórica de Trump não é exatamente sem precedentes para um presidente americano.

Por que criamos rugas e o que podemos fazer para evitá-las?Os segredos para aprender um novo idioma (rapidamente)

"De várias maneiras diferentes, ainda que de uma forma não tão colorida, os Estados Unidos sempre disseram que, se a Coreia do Norte atacar, o regime deixará de existir", diz Crowley.

A diferença desta vez, acrescenta ele, é que o presidente dos Estados Unidos parece sugerir que tomaria uma atitude preventiva (apesar do secretário de Estado, Rex Tillerson, ter descartado esse opção depois).

Esse tipo de retórica belicosa imprevisível vindo da Casa Branca não é comum e preocupa as pessoas, dizem analistas.

Ainda assim, a Coreia do Sul - o aliado americano que mais tem a perder em um confronto com o Norte - não parece estar muito preocupada.

Um assessor da Presidência em Seul disse a jornalistas que a situação não chegou a um nível de crise e que é muito provável que tudo seja resolvido pacificamente.

Isso é motivo para otimismo.

POLICIAS PRENDEM TRÊS MELIANTES EM GRAMACHO

CONTEÚDO: 15° BPM

Equipe em patrulhamento no bairro Gramacho teve a atenção voltada para os três elementos em atitude suspeita que estavam parados no ponto de ônibus. Ao perceberem que seriam abordados empreenderam fuga, Neste momento a guarnição desembarcou e perseguiu os mesmos, ao abordar um dos elementos em um bar , este encontrava-se empunhado de uma pistola e direcionando a mesma contra o policial , onde este em ponto emprego realizou disparos no membro inferior para neutralizar uma possível ação contra a vida do mesmo, que apos o cessar fogo foi constato que arma se tratava de um Simulacro idêntico a " Pistola Taurus 24/7" , foi acionado o CBMERJ que prestou os primeiros socorros e que ao questionar o porque estavam na posse do simulacro os mesmos confessaram que estariam no referido local a fim de efetuar roubo a veículos.

Material apreendido

01 Simulacro de Pistola

Ocorrência encaminhada a 59°DP

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Buscopan Composto em gotas é recolhido e tem fabricação suspensa

Medicamento na versão composta continuará a ser vendido em comprimidos ou na versão mais 'pura', apenas com a substância butilbrometo de escopolamina.

Por G1

07/08/2017 16h22  Atualizado há 11 horas

Buscopan composto gotas (Foto: Reprodução/Boehringer Ingelheim)

A empresa Boehringer Ingelheim comunicou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o recolhimento voluntário do medicamento Buscopan Composto em gotas, usado contra dores e cólicas na região abdominal.

A fabricação do medicamento também está suspensa, mas, de acordo com a companhia alemã, o "produto disponível no mercado não oferece risco à saúde do paciente".

O Buscopan Composto em comprimido e o Buscopan Gotas continuarão a ser vendidos. Os medicamentos compostos da "família" Buscopan acrescentam dipirona à substância base, butilbrometo de escopolamina.

Segundo a Boehringer Ingelheim, os remédios foram retirados das farmácias devido a um resultado do estudo de estabilidade -- que estabelece os prazos de validade e é importante para avaliar a segurança, qualidade e eficácia do produto, de acordo com publicação da Fiocruz.

Em julho, a Anvisa suspendeu um lote do remédio Lexotan e alegou resultados abaixo do esperado nos estudos de estabilidade, motivo similar à retirada do Buscopan Composto em gotas do mercado. A agência classificou o risco problema como baixo - classe 3. Mesmo assim, o produto não deveria ser consumido.

Leia a nota da empresa na íntegra:

A Boehringer Ingelheim do Brasil comunica o recolhimento voluntário e preventivo de Buscopan Composto gotas (butilbrometo de escopolamina e dipirona sódica monoidratada), devido a resultado fora de especificação identificado durante estudo de estabilidade. O produto disponível no mercado não oferece risco à saúde do paciente. A descontinuação foi comunicada proativamente pela empresa à Anvisa e o medicamento foi tirado temporariamente de circulação em junho deste ano. A Boehringer Ingelheim esclarece que há alternativas terapêuticas disponíveis, como os demais medicamentos da família Buscopan, o Buscopan Composto comprimido e o Buscopan Gotas. A Boehringer Ingelheim reforça seu compromisso irrestrito com a garantia de qualidade de seus produtos e com a saúde de seus pacientes

Bope e UPP fazem operação no Complexo da Penha, Zona Norte do Rio

Ação acontece na manhã desta terça-feira (8), na região da Vila Cruzeiro. Nas redes sociais, moradores relataram troca de tiros e informaram que escolas da região estão sem aulas.

Policiais do Batalhão de Operação Especiais (Bope) e da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) fazem uma operação na manhã desta terça-feira (8), na região da Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, Zona Norte do Rio. Até as 7h30, não havia informações sobre presos, feridos ou apreensões.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Trânsito tranquilo na Washington Luis (BR40), Linha Vermelha trânsito fechado parcialmente.

O clima ta quente em duque de Caxias RJ

Clima tenso em Caxias com tiroteio no Lixão ,carros voltando na linha vermelha na contra mão e informação de um ônibus incendiado.

Caminhoneiro mantido refém achou que RJ estava mais seguro com tropas federais

Motorista ficou mais de duas horas sob a mira da arma do assaltante. Mãe de assaltante ajudou a negociar a rendição do criminoso.

CONTEÚDO:G1/GLOBO

Motorista de caminhão sequestrado na Av.Brasil diz que 'nasceu de novo'

O motorista da carreta que ficou como refém na Avenida Brasil, na noite de domingo (6), disse em entrevista ao G1 na manhã desta quarta-feira (7) que, antes de vir ao Rio, soube do reforço das tropas federais e, por isso, acreditou que estava seguro. Antônio Euclides Ribeiro, 36 anos, é de Visconde do Rio Branco, em Minas Gerais. Essa foi a terceira vez que ele veio ao Rio.

"Por isso que eu desci [para o Rio] mais tranquilo, pensando que estava mais seguro. De repente, na hora que esse carro parou na minha frente e esse rapaz desceu com a arma, eu não acreditei. Eu falei: 'esse cara vai me assaltar cheio de polícia?'. Eu passei ali na Washington Luiz cheio de polícia, ali quase na [Avenida] Brasil cheio de polícia, mas ele entrou", disse o motorista Antônio, no início da manhã desta segunda (7), na Cidade da Polícia.

Para Antônio, a ousadia dos criminosos em cometer um roubo mesmo diante do reforço na segurança é uma questão de "certeza de impunidade".

O crime aconteceu pouco depois das 21h. A carreta saiu de Minas Gerais transportando quase 20 toneladas de carne e o motorista foi rendido no Rio, na altura de Olaria. A polícia foi avisada, houve perseguição e troca de tiros. Na altura de Deodoro, na Zona Oeste, os policiais fizeram um cerco, atiraram nos pneus e conseguiram parar o caminhão. O carro da quadrilha que fazia a escolta fugiu. Quando os policiais chegaram perto da carreta, o bandido que estava na cabine fez o motorista refém.

Caminhoneiro passou a noite na Cidade da Polícia (Foto: Fernanda Rouvenat / G1)

"Eu não acreditei. Esse rapaz entra no meu caminhão, nervoso, mais nervoso que eu. Eu acho que ele nem sabia o que estava fazendo, deve ser novo nisso. É gente de muita coragem. Eu acho que é a certeza da impunidade que faz isso", completou ele, que ficou mais de duas horas sob a mira da arma do criminoso.

A mãe de Emerson Garcia Miranda, de 19 anos, que praticou o assalto, ajudou a negociar o fim do sequestro. "Eu pedi a ele pra tirar a arma da cabeça do rapaz, botar no chão, deixar o rapaz descer e se render. Eu estou sem chão”, disse Fabiana Garcia dos Santos.

Segundo o motorista, faltava apenas 10 minutos para ele chegar ao destino previsto, quando tudo aconteceu. Ele passou a noite na Cidade da Polícia, no Jacarezinho, Zona Norte do Rio, e disse não ter conseguido dormir. Se possível, ele espera não voltar mais para a cidade.

"Hoje, eu diria que não viajava pra cá não, mas amanhã eu não sei não, porque a gente tem que trabalhar. Eu quero só ir pra casa, ver meus filhos", disse o motorista.

De acordo com a delegada Eláine Rosa, da Central de Garantias, o criminoso estava com mais quatro homens dentro do carro no momento da abordagem. Segundo ela, Emerson não tinha passagem pela polícia e se reservou ao direito de ficar em silêncio e não falar em depoimento.

A delegada disse ainda que Emerson chegou a dizer aos policiais que participaram da ação que ele seria o mais novo da quadrilha e, por isso, foi o escolhido para abordar o motorista.

Motorista de caminhão sofre sequestro na Avenida Brasil

'Só em filme'

Antônio Euclides disse que a ficha só caiu agora e que nunca tinha imaginado uma situação dessas. Para ele, a mobilização de policiais no local parecia cena de filme.

"Só em filme. O tanto de tiro naquela carreta e só pegar na minha perna, pegou só um tiro na minha perna. Eu não cheguei a associar a minha situação com nenhuma, porque pra mim é tudo novo. Em alguns momentos eu preferia nem pensar que era eu. Eu vivi de novo", disse Antônio ao G1. O caso foi registrado na Central de Garantias da Cidade da Polícia