REDE CAXIAS TV: Termo de doação para sala de cinema na cadeia em Benfica era falso, diz promotor
RD25NOTÍCIAS

Total de visualizações de página

Termo de doação para sala de cinema na cadeia em Benfica era falso, diz promotor

RIO DE JANEIRO

Esquema que viabilizou a entrada dos equipamentos contou com a participação de agentes penitenciários, segundo representante do MP.

Conteúdo: GloboNews

Termo de doação de sala de cinema é falso, diz promotor

O promotor do Ministério Público fluminense Claudio Calo, responsável pelainvestigação sobre a "sala de cinema" que seria instalada no presídio em Benfica, na Zona Norte do Rio, confirmou à GloboNews nesta segunda-feira (4) que o termo de doação dos equipamentos é falso.

Na Cadeia Pública José Frederico Marques estão presas pessoas acusadas de envolvimento com crimes apurados pela Lava Jato no Rio, entre elas o ex-governador Sérgio Cabral, parte do seu secretariado e correligionários do PMDB.

A entrada dos aparelhos de última geração na unidade prisional gerou uma série de repercussões, como a retirada dos equipamentos pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária e, em seguida, a doação dos equipamentos para um orfanato. A sala para os presos da Lava Jato teria uma televisão de 65 polegadas, home theater, aparelho de DVD e 160 filmes Blue Ray.

Nesta segunda-feira, Calo ouviu o ex-governador sobre o caso, outro preso e um agente penitenciário. A princípio, os equipamentos teriam sido doados por igrejas evangélicas, mas isso já está descartado segundo informou à reportagem o promotor. De acordo com ele, o termo de doação é falso e foi redigido de dentro da penitenciária.

Também segundo o promotor, o esquema que viabilizou a entrada dos equipamentos contou com a participação de agentes penitenciários. Calo acrescentou que os aparelhos já estavam dentro da cadeia mesmo antes da elaboração do termo de doação.

"Causa perplexidade o fato de equipamentos grandes terem passado por pelo menos duas áreas de dentro do presídio sem a autorização da direção da penitenciária", ressaltou o promotor.

O representante do MP não detalhou qual seria a participação de Cabral no esquema, mas disse que, se comprovada, o ex-governador pode ser punido e levado para um presídio mais rigoroso. Já foram identificados, segundo o promotor, o crime de falsidade ideológica e improbidade administrativa, ilícito da esfera cível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário