RD25NOTÍCIAS

Total de visualizações ao site

Major PM condenado por morte de Amarildo recebe pena por corromper testemunhas do crimeAlém de Edson dos Santos, um soldado também foi condenado nesta quinta-feira (22). Outro soldado e um tenente da PM foram absolvidos.

major PM Edson Raimundo dos Santos e o soldado da corporação Newland de Oliveira foram condenados nesta quinta-feira (22), em audiência no Centro do Rio, por corromper testemunhas do caso do desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza. A pena para o crime é de dois anos, em regime aberto. Outros dois acusados, o tenente Luiz Felipe de Medeiros e o soldado Bruno Medeiros Athanazio, foram absolvidos.
Os policiais condenados, segundo o Ministério Público, ofereceram dinheiro a duas testemunhas, que em troca deveriam afirmar aos investigadores que traficantes da Rocinha teriam matado o ajudante de pedreiro Amarildo de Souza - que desapareceu em julho de 2013, após ser detido por PMs e levado para a sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da favela.
Medeiros teve sua absolvição pedida pelo próprio Ministério Público, que alegou falta de provas que o ligassem ao caso, enquanto Bruno foi considerado inocente por estar apenas cumprindo função inerente ao trabalho como policial militar, não tendo nenhum envolvimento com a trama urdida para corromper as testemunhas.
Os advogados dos policiais alegaram cerceamento de defesa por não terem podido interrogar as testemunhas - mãe e filho - que teriam recebido vantagens para imputar a morte de Amarildo aos traficantes. Ambos estão desaparecidos desde 2014 e a Justiça não conseguiu localizá-los.
Os cinco julgadores da Auditoria de Justiça Militar, contudo, consideraram que as provas juntadas aos autos eram suficientes para o julgamento, mesmo sem a presença das testemunhas.
Em fevereiro do ano passado, dois dos quatro réus julgados nesta quinta-feira já haviam sido condenados pelos crimes de tortura seguida de morte e ocultação do cadáver de Amarildo, além de fraude processual.
O major Edson foi sentenciado a 13 anos e 7 meses de reclusão, enquanto Luiz Felipe de Medeiros, absolvido nesta quinta, recebeu pena de 10 anos e 7 meses.

Nenhum comentário:

Postar um comentário